Histórias de um Paulistão que um dia foi forte

Não é mais.

Os dirigentes que comandam o futebol brasileiro acabaram com os estaduais.

Assim como acabaram com as equipes do interior, que hoje, raríssimas exceções, tornarem-se hospedeiras e barrigas de aluguel de empresários, que encostam suas tranqueiras e perebas nestes clubes apenas para exibirem suas mercadorias.

Sinto saudades dos tempos em que o Paulistão era a principal e mais disputada competição do país.

Selecionei alguns vídeos que contam um pouco da história do Paulistão.

Como este, que após derrotado pelo Juventus, Serginho Chulapa, transtornado, corre atrás de Juninho, aquele mesmo, ex-Ponte e ex-Corinthians.

Detalhe para a narração e a entrevista com Juninho:

Final do primeiro turno de 1978, Corinthians x Santos, dia do famoso “chilique” de Clodoaldo:

Gol de Silva, Juventus, de bicicleta, no Pacaembu.

Detalhe, aplaudido pela torcida corinthiana.

A famosa briga entre Serginho Chulapa e Mauro.

Detalhe: depois do jogo, amigos que eram, saíram para beber.

Final do Paulistão, 1973, famoso erro de contagem nos penaltis, por Armando Marques.

Quando Armando Marques ergueu os braços, decretando o final da disputa de penaltis, o time do Canindé desceu correndo para o vestiário e fugiu do Morumbi, sem tomar banho, para que não houvesse tempo para que os fizessem voltar ao gramado.

Neste ano, o título ficou para as duas equipes, dividido.

Inter de Limeira, campeã paulista de 1986.

Eu estava lá.

Contra quem foi?

Detalhe para a declaração do torcedor: “Dura agora vai ser aguentar os corinthianos…”

Segundo jogo das finais do Paulistão, 1977.

O maior público da história do estádio Cícero Pompeu de Toledo, o Morumbi, popular Panetone.

Detalhe: Para o são-paulino Flavio Prado, Vaguinho estava impedido…

Final de 1974, meu primeiro jogo no estádio:

Existem muitos outros vídeos, com fatos historicamente pitorescos deste que já foi o maior torneio em disputa no país.

Envie o seu, vamos compartilhar.

E para finalizar, este não poderia faltar:

Anúncios

25 Responses to Histórias de um Paulistão que um dia foi forte

  1. Paulo disse:

    É imperioso esclarecer uma coisa, a respeito da minha opinião de que o Campeonato Paulista é, atualmente, o menos importante dos campeonatos por nós disputados: isso não significa, EM ABSOLUTO, que possamos entrar em campo com o intuito de fazer corpo mole ou não se aplicar, como vem ocorrendo nos últimos anos do estadual, especialmente em 2013, ou que devamos, “a priori”, abrir mão do objetivo de ser campeão ( ao contrário, temos obrigação de ganhar tudo, ao menos na intenção ). A posição de “supremacia hierárquica”, digamos assim, das demais competições, para mim, implica apenas em que, cotejadas com o Paulista, devem ser assumidas como prioritárias, o que significa poupar jogadores considerados titulares, eventualmente, no estadual, para otimizar o desempenho nessas outras competições. Apenas isso. Longe de mim respaldar comportamento desidioso explícito de boleiro, como ocorreu, sobretudo, na quarta, contra a Penapolense. Isso pela simples razão de que recebem para jogar, e não para priorizar competição – o que é tarefa da comissão técnica e da diretoria. Além disso, há que se respeitar o torcedor, que é a razão de ser do futebol, e à qual tudo o mais se subordina. Vejam se um artista deixa de interpretar uma peça de teatro, por exemplo, porque este esteja com um único espectador ou porque não goste do enredo. Isso se chama ética, decência, vergonha na cara, orgulho profissional.

    Curtir

  2. Italiano disse:

    …boa noticia….CIDs sairão em 4 dias, sinaliza Prefeitura
    por Camila Mattoso em 28.mar.2013 às 7:12h

    Corinthians e Odebretch já foram avisados de que parte dos Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento (CIDs) para a Arena de Itaquera será liberada na próxima segunda-feira. O valor aprovado inicialmente é de R$ 166 milhões O clube e a empresa agora focam os esforços na liberação do financiamento do BNDES para cessar a ameaça de paralisação das obras. Mas, nesse campo, ainda não há novidades.

    Curtir

    • Flávio Augusto disse:

      E que libere logo os Cid’s, tem muita gente torcendo contra essa liberação dos Cid’s por parte da prefeitura e o financiamento do BNDES. To meio peocupado com essa treta toda.

      Curtir

  3. Fernando Romano disse:

    Naqueles tempos os times do interior tinham culhão para peitar os grandes e até serem campeões, como em 86, 90… Hoje, eles às vezes conseguem chegar, mas na hora de decidir ficam com uma paúra sabe-se lá porquê…

    E eu gostaria de compartilhar aqui um vídeo que infelizmente está desaparecido das redes sociais… é da semi do Paulista de 95, Corinthians x Santos, jogo em Limeira, pois naquela época todos os estádios da capital haviam sido interditados. Na ocasião, o placar desse estádio ainda era manual e justamente nesse jogo calhou da Fiel ficar exatamente abaixo dele. Assisti pela TV e nunca esqueço: Cléber Machado narrando e, lá pelas tantas, já 4 x 2 pro Corinthians, ele interrompe a narração e fala: “olha, a torcida do Corinthians mexeu no placar..” a câmera mostra que alguém da Fiel havia mudado o letreiro do jogo de CORINTHIANS X SANTOS pra CORINTHIANS X FRACOS. Uns 5 minutos depois, jogo correndo, Cléber Machado interrompe novamente e solta: “Ih, rapaz… agora não dá pra dizer o que a torcida do Corinthians fez…” corta para a câmera que mostra: CORINTHIANS X BOSTAS… Ri LITROS, mesmo a PM vindo após um tempo e “consertado” o “estrago”. Gozado que sempre que tento achar o vídeo exatamente dessa molecagem, nunca acho, só consigo a resenha da partida com os gols e os melhores momentos. Já escrevi até pro Celso Unzelte e nem ele lembra direito dessa caso… Mas seria muuuuito legal assistir de novo!! Quem lembrar, ou melhor , quem tiver a gravação desse jogo, mesmo em VHS, que suba na net pra gente poder rir mais uma vez!!!

    Curtir

  4. Múcio Rodolfo disse:

    Tem o regulamento que é mal feito.
    Tem o enfraqueciemnto dos clubes interioranos
    Mas também tem a cabeça das pessoas que resolveram que este campeonato seria desimportante. “Fica com o paulistinha que é só isso que vcs conseguem”. As palavras daquele idiota -que um dia o Corinthias teve a insanindade de contratar- ainda me revoltam. Outra bastante irritante: “fulano nunca ganhou nada de importante no futebol”. Isto em se tratando de um fulano campeão paulista. SEr campeao paulista é importante. Em 1999 a torcida esqueceu a eliminação na Cucaracha Cup porque o time jogou o fino da bola no Paulistão (5×1 no Manjubinha FDT, 4×0 Vila Sonia SDA e 3×0 no Chiqueirense SDDN). As exibições de gala lavaram a alma da torcida. No ano seguinte, porém, a eliminação no Paulistão juntou-se a eliminação na Cucaracha para fazer com que a parte da torcida fosse ao PSJ fazer o que fez. Este papo de dizer (ou insinuar) que estão se poupando para a Cucaracha é perigoso. O Alex foi infeliz quando disse o ano passado “ainda bem que não foi na Cucaracha”. Ele foi sincero, mas sinceridade nem sempre é bem vista. Eu lamento todas as nossas eliminações. Ainda mais quando é fruto da falta de luta, de empenho, quando a bolerada entra em campo pouco se importando com o resultado.

    Curtir

  5. Magrão disse:

    Discordo de vc Randal! Como querer que a torcida trate o estadual como PAULISTÃO se o time entra em campo jogando pra não vencer, o comportamento da torcida, na maioria das vezes, é o reflexo do time em campo! Na minha opinião o que o Tite está fazendo é muito perigoso pois foca todas as forças em apenas uma competição levando a fiel na mesma onda; isso aumenta a pressão e em uma competição de mata-mata como a Cucaracha sabemos que nem sempre o melhor time é o Campeão, prova disso foi a liberta de 2010 em que atropelamos na fase de grupo e caímos diante do Flalido logo nas oitavas! Mas espero que o Adenor saiba o que esteja fazendo pois do jeito que anda as coisas tudo caminha pra um Replay de 2012, uma estrutura e um elenco milionário pra 14 ou 16 jogos no ano com a obrigação de ganhar, ou seja, isso leva a Bambinização da torcida! Público de 12.000 pagante no Paulistão era exclusividade do Panetone hà muito pouco tempo atras!! Abre o olho Timãooo!! Somos o que somos hoje por sermos diferentes do resto, e sempre entramos pra ganhar em todas as competições sempre na raça, com elenco reduzido, etc. Hoje com um elenco do porte do nosso, com super-salários, CT, com mordomias nunca tidas em outras épocas é inadmissível atleta entrar em campo com o manto pra cozinhar o galo e sair do jogo tentando achar desculpa pelo péssimo futebol; jogador titular querer se poupar pra priorizar alguma competição até vai, agora neguinho reserva entrar em campo com essa nhaca que vem ocorrendo não tem desculpa!!! Não sou de cornetar o Tite mas 4ª foi demais, assumiu a responsabilidade pela derrota por ter demorado na substituição p fechar o time, aí leva o gol de empate e faz a substituição mesmo assim? Ou seja, quis garantir o empate com medo de levar a virada em vez de colocar o time pra frente pra vencerii Porra, o jogo era contra o Polentaponense em casa ou era contra o Bayern no Alianz Arena?? As vezes parece que da um branco no professor e ele pensa que é técnico do adversário, só pode rs!! É isso aí, flz Páscoa a todos e Domingo não tem desculpa, só a vitória interessa!!! Chega de “Errolation”, a cota de empate já estourou professor!!!

    Curtir

  6. Luís Carlos disse:

    Acho que a FPF tem pouca culpa quanto ao enfraquecimento dos clubes interioranos e ao “desinteresse” do campeonato paulista. Senão, pela lógica oposta, teríamos que admitir a excelência da Conmebol, que organiza o torneio mais interessante e rentoso do mundo.

    O enfraquecimento dos clubes interioranos, pra mim, começou com a Lei Pelé/Zico. Antes dessa época os clubes, ainda que com poder econômico menor, conseguiam manter seus jogadores, que eram jogadores dos clubes e não de “investidores”. Os jogadores vinham de peneiras e aprendiam a jogar futebol jogando futebol e não em escolinhas. Quem conseguia ir para o time profissional era o jogador, por méritos, e não o empresário ou o investidor. O jogador iria fazer peneira com o intuito de jogar, basicamente, no seu time de coração e não no time que paga mais ou onde seu procurador e investidor tem mais influência.

    Ao mesmo tempo, o futebol foi movimentando cada vez mais dinheiro. E onde há dinheiro, há interesse em dinheiro. O restante é subsidiário. Um jogador já não ganha mais o mesmo que uma pessoa com bom nível de escolaridade. Ganha muitas vezes mais. E isso já aos dezesseis anos em determinados clubes. Jogar profissionalmente já não atrai mais apenas quem gosta de jogar futebol. Atrai quem gosta de ganhar dinheiro. O que era vocação passa a ser profissão. E fortuna fácil é sempre restrita a determinados grupos. Os jogadores que conseguirão compor um time profissional já estão escolhidos desde os quinze anos, independentemente do que façam. Vários promissores jogadores acabam ficando de fora por não terem o estômago suficiente pra isso. Os que têm, estão lá apenas pelo dinheiro. Jogador não tem mais bandeira nenhuma. A seleção brasileira, que era o objetivo máximo que um jogador poderia alcançar, hoje serve apenas como um chamariz para conseguir um salário mais alto ou para adentrar em um clube grande europeu, este sim o principal objetivo de um jogador “moderno”.

    Do lado dos clubes, esse dinheiro abundante, como sempre, não foi distribuído proporcionalmente. Os clubes menores, embora também passassem a dispor de mais verba, ficaram numa distância relativa muito maior que no passado de dinheiro escasso.

    Fora isso, ainda houve a modernidade. Já não há mais tantas pessoas dispostas a ir a um estádio acompanhar uma partida. Trânsito, riscos físicos, televisionamentos ao vivo. Falta de tempo disponível. Também já não há mais tantas pessoas dispostas a passarem um dia da semana dentro de um clube. Cursos de natação. Academias. Várias outras opções de lazer. As receitas com bilheteria e as mensalidades dos associados eram o alicerce dos clubes. Os clubes grandes supriram isso com as receitas de marketing. Os pequenos acabaram ficando mais pequenos.

    Quanto ao “desinteresse” do campeonato paulista, entendo que existe apenas na cabeça dos diretores de clubes grandes, que priorizam torneios menos rentosos; dos jogadores e treinadores, que querem vagabundar cada vez mais; de setores da mídia esportiva, que querem vagabundar também e recebem algum jabá para justificarem as ações dos cartolas e jogadores; e da parte da torcida que é mais vulnerável aos adestramentos da mídia esportiva.

    Agora, se a FPF acabar com o paulistão porque é desinteressante ou restringi-lo aos clubes pequenos como estão querendo haveria um fortalecimento dos clubes pequenos e um aumento no interesse pelo campeonato?

    Não dou dois anos para os clubes pequenos ficarem mais pequenos ou fecharem suas portas, e para o paulistão ter o mesmo nível de interesse que a Copa Kaisser tem.

    Os clubes pequenos são importantíssimos para os campeonatos. Em todo campeonato “interessante” do mundo há times pequenos. Quantos times brasileiros têm condição de pleitearem títulos nacionais, sulamericanos e mundiais hoje em dia?

    Curtir

  7. Paulo disse:

    O Paulista hoje é, para mim, se queremos pensar em um Corinthians grande, pujante, internacional ( não porque quero ser conhecido e nem reconhecido por gringos, mas porque é legítimo se expandir até o limite, que, para mim, é nada mais nada menos que a supremacia mundial ), um campeonato realmente secundário. E estou absolutamente à vontade para falar disso, porque estava presente a todos os jogos do Timão aí acima colocados ( menos contra o Juventus ), inclusive às três finais de 1977.

    Curtir

  8. Diego Torres disse:

    Na minha opinião um campeonato para ser grande tem que ser vencido por um grande, de forma espetacular e inesquecível, como foi a libertadores de 2012 ou o Paulistão de 77, por exemplo, ou seja, pra mim antes de 2012 essa copinha cucaracha era e continuará sendo medíocre, a não ser que o Corinthians mais uma vez me prove o contrário sobre ela. Agora sobre o Paulistão minha opinião é de que o de 77 não é apenas o maior título do Corinthians, mas é o maior título da história do futebol, pode até contar seleções, eu nem era nascido e já não sei mais quantas vezes já assisti o VT completo desse jogo, o gol do Basílio então… esse jogo é atemporal. Se não for isso que faz um campeonato inesquecível e importante, não sei o que é, compare com a copa de 94 ou 2002, de vez em quando é relembrada e faz muito menos tempo, agora se um campeonato como o de 77 é o mais importante de todos e muito corinthiano também fala isso, como pode hoje o time jogar essa história de lado e jogar como se esse torneio fosse um martírio?!

    Nem sarro dos porco deu vontade de tirar depois desse empate de quarta.

    Abraço

    Curtir

  9. Eduardo de Menezes disse:

    Silvio, como não se referir ao Paulistão como Paulistinha? O campeonato JÁ FOI referência, no Brasil. Tínhamos o tradicional Come-Fogo em Ribeirão Preto, Ferroviária em Araraquara, XV de Jaú que um dia ousou eliminar os porco, dentro da rua Turiassu, a democracia corinthiana que marcou uma geração inteira, a final caipira entre o Novorizontino e Bragantino. O tempo passou, o paulista foi modificado, encurtado. Os times do interior estão quase todos falidos. Nunca houve um calendário decente no futebol brasileiro. Nos outros países existem apenas os torneios inicio e final (apertura e clausura nas Américas Centra e do Sul, exceto aqui) . Portanto, acho difícil este campeonato continuar. Pelo menos, na atual fórmula. Para que realmente tivesse valor, deveria servir como uma maneira de classificar o campeão e o vice, para a disputa do brasileirão. Aí sim, teria um enorme valor.

    Curtir

  10. Carlos Amaral disse:

    Libertadores, primeira fase, 6 jogos. Perder 2 partidas e empatar duas, time fora da competição. Paulistão , primeira fase , 19 jogos , perder 3 partidas e empatar 8, time classificado para a próxima fase. Será que é dificil entender isso? Se o time jogar o mata-mata do paulistão com “má vontade”, as teorias de que o time abandonou o Paulistão serão confirmadas, mas enquanto não jogamos o mata-mata é um absurdo achar que a boleirada vai se matar em campos que nem água no vestiário tem. Exceto quando chove e alaga tudo.

    Curtir

    • Múcio Rodolfo disse:

      Verdade. Ainda não hora de desespero. A classificação nos dois torneios está bem encaminhada, mas vc não acha que a gente pode (e deve) esperar um desempenho melhor de alguns reservas que a gente vive dizendo que seria titular em qualquer outra equipe?

      Curtir

    • Magrão disse:

      Porra, mas o cara recebe uma fortuna por mês pra que? Jogador é profissional, não tem o Direito de querer jogar só quando achar interessante! Se for assim é mais justo o clube emitir uma nota oficial antes dos jogos “desinteressante” tipo: Hoje o time entrará em campo pra cozinhar o galo, cumprir tabela e caso o adversário tiver um desempenho abaixo da crítica podemos sair com a vitória! Aí o torcedor que for pegar chuva no lombo, ficar até 1/2 noite na arquibancada estará ciente do propósito em campo e não teria do que reclamar caso contrário tem que entrar em campo pra cumprir sua obrigação e fazer o seu melhor independente do campeonato! Detesto perder, ainda mais quando fica evidente a falta de motivação, se continuar assim em pouco tempo seremos time e torcida de libertadores, ou seja, Bambinização pura!!

      Curtir

      • Carlos Amaral disse:

        Múcio e Magrão estão certos em suas observações. Como “consumidor” de futebol também espero mais qualidade e empenho em todos os jogos, mas pela sequencia de contusões que o time tem enfrentado acho que isso não é possível, mesmo! E lembrar que o elenco ainda está repleto de jogadores acima dos 30. Isso pesa.

        Curtir

      • Múcio Rodolfo disse:

        O Corinthians tem jogadores que a gente vive dizendo que seria titular em quase todos os outros times do país. Então, quando entram deveriam mostar isso. O problema não é poupar o Danilo ou o Pato ou o Ralf…enfim, o problema não é poupar quem quer que seja, o problema é um Douglas, um Romarinho, um Guilherme etc etc etc entrarem e decepcionarem a nós torcedores.

        Curtir

  11. Múcio Rodolfo disse:

    1- Eu tenho este vídeo do Clodoaldo tendo um “piti” no meu face. Postei para mostrar aos meus amigos manjubinhas o quanto eles ficam detemperados, fora de si quando se sentem numa situação delicada diante do time que incomoda. Esta reação tresloucada do Clodoaldo a gente não vê quando o time deles se acha prejudicado diante de um Vila Sonia SDA ou de um Chiqueirense SDDN. Neste jogo eu me lembro que a Rádio Bandeirantes deu um “agrado” para o torcedor cujo nome era o mesmo do autor do gol do título. No caso o felizardo atendia pelo nome de Wanderlei- o nome do Palhinha, que aliás para mim é um dos jogadores subvalorizados da nossa história. Eu ouvi este jogo num radinho Mitsubishi (aquele que tinha capa de couro) e fiquei incrédulo quando o Zé Maria perdeu o penalti. Pra mim isto era algo impossível de aconter, mas aconteceu. O gol do título foi sensacional, com a presença de três jogadores que marcaram a nossa história Biro-Biro, Sócrates e Palhinha.
    2- Eu ouvi as palavras do Flávio (Alo) Prado. Fui ao vídeo do gol do Vaguinho. Pausei ele várias vezes e não vi impedimento nenhum do Vaguinho. Vamos lembrar que na época mesma linha era posição irregular. Mas, mesmo assim, o Vaguinho estava em condição legal. Quando saiu o gol, corri para frente de casa para comemorar dando pulos no ar. Depois foi a virada da Macaca. Muitos anos depois fiz quase a mesma coisa. Na final contra os bambis em 98, quando o Didi empatou corri para o quintal de casa pulando e dando soco no ar. Nunca mais saio de dentro de casa para comemorar um gol que eu ache ser o do título.
    3- Em 1986, o Corinthians tinha um time inferior ao da Turiassu, mas se não me engano o Minelli já estava com viagem marcada para o mundo árabe. O que me causou estranheza foi o Casagrande jogando que nem um leão no meio de campo e o Lima dormindo em campo lá no ataque. A mim parecia mais lógico o Casão estar lá azucrinando a vida dos beques, quem sabe fazendo o gol da classificação. Isto sem contar a maldita mania que o Minelli tinha de escalar o Márcio Bitencourt como lateral direito.
    4- No jogo em que o Armando Marques mostrou que não prestava atenção nas aulas de matemática, dizem que teve um gol anulado da Portuguesa. A informação confere?

    Curtir

  12. Randal disse:

    Lamento profundamente quando inclusive observo torcedores do Timão usando o mesmo discurso das meninas do morumbi “o que importa é a libertadores”.

    Curtir

    • Blog do Silvinho disse:

      Ou quando se referem ao Paulistão como Paulistinha, termo inaugurado pelos porco, em 1999

      Curtir

    • David disse:

      Concordo, prioridade é vencer (principalmente os classicos). Libertadores menor que o paulista? historicamente sim e o paulista é importantíssimo para manter viva ao menos a idéia de futebol como algo popular, libertador e democratico (basta um objeto como bola sendo meia e/ou papel e se joga até num quintal de favela). Os times do interior devem ter vez.
      Viva o Corinthians do povo. Contra tudo e contra todos.

      Curtir

Amigo, faça seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: